Sou expert em dormir, comer e reclamar. Sou o rei da ironia, da frieza e da brutalidade. Domino a arte de não fazer absolutamente nada. Sou tão desastrado que caio até em superfícies planas. Choro por besteira e ainda assisto desenhos infantis. Mas quer saber? É meu jeito de ser, e não mudo por ninguém. Prefiro ser taxado de “estranho” do que de “normal”.

Sempre tem um pra testar sua fé.

“Quando a gente gosta, a gente cuida. Cuida mais do que devia. Gostar é se prevenir do desgosto. A gente nunca sabe o que é suficiente, a gente vai se doando, se gastando, sem pedir troco. A gente gasta mais do que tem e corre atrás para imaginar o que não viveu para não fazer falta à memória mais adiante.”

Fabrício Carpinejar.   (via verseando)